No ano de São José: mais um Capítulo e uma única História

“…Eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe em sonho..” (Mt 1,20)

Queridos Confrades, amada Família servitana, estimados leigos que vivem nosso Carisma, nós somos filhos de um sonho: o sonho de nosso Pai Fundador Dom José Edson. Nós, Missionários Servos do Senhor, vivendo esta época nada fácil, tempos de pandemia, somos chamados a seguir aquele mesmo sonho fundacional e a percorrer o caminho na escola dos discípulos da Acolhida Redentora, revelando a Paterna Bondade De Deus.

Está se aproximando nossa II assembleia capitular (agosto de 2021), grande é a nossa expectativa e responsabilidade no como orientar nosso Instituto para que responda o mais fielmente possível ao chamado de Deus e da Igreja e possamos realizá-lo generosamente, respondendo aos desafios dos tempos modernos. É importante então perguntar-se: como podemos imitar José, como realizar hoje o “sonho” de nosso fundador? Sabemos que o caminho é sempre o mesmo que José percorreu. Uma vida de entrega a Deus e a sua vontade como também foi a vida dos santos; nossos inspiradores: Francisco de Assis e Domingos de Gusmão e, como é ainda hoje a vida nosso do próprio Fundador; como eles; termos a capacidade de dar a Deus um lugar nos nossos sonhos servitanos para que Ele arme realmente entre nós sua Tenda; permitir a Cristo servo que nos mostre o sonho que tem para nós, para a nossa congregação, um sonho sempre mais entusiasmado dos nossos projetos. São José nos convida hoje a nos deixarmos surpreender por Deus neste nosso ano capitular dedicado a ele. Porque soube renunciar aos seus desejos pessoais e se entregou à realização do sonho de Deus. José teve o Filho de Deus para guardar e cooperou para que a humanidade tivesse um Salvador e nós temos um carisma para zelar e levar ao mundo cooperando com o filho de José.

A “lógica” evangélica sempre orientou a vida dos santos e inspirou também a vida do nosso Fundador sobre o nosso carisma “Eis aqui a Serva do Senhor” (Lc 1,38). De resto, nós sabemos, a nossa existência como instituto e a nossa missionariedade são fecundas na medida em que nos deixamos guiar, como fez Dom Edson, por esta orientação evangélica profunda que nos chama com força, inclusive a estudar ainda mais nossas Constituições, e, em particular, o tema deste II capitulo: “Fraternidade e Missionariedade Servitana” e o Lema: “Eu vos escolhi e vos constitui para que vades e produzais fruto e o vosso fruto permaneça” (Jo 15,16). Animados como estamos pelo serviço pastoral e missionário, pode talvez suceder, mais do que se pensa, de esquecermos a ascese, que pra nós é a própria vida fraterna, pois a caridade pastoral do servitano, realiza-se em plenitude quando passa através das duas “faces da medalha”: De um lado está a “missionariedade” e do outro, “a vida fraterna”. As duas faces da única medalha precisam se alimentar reciprocamente, por isso nossos estudos capitulares nos convidam a refletir sobre os frutos já colhidos na missão e na vida fraterna, A “Oliveira” (o nosso fundador) já nos deu o seu fruto. Pode-se dizer que uma face desta medalha é a motivação da outra. Assim, por um lado, não deveria existir um servitano que ame a Cristo sem amar a missão e, por outro lado, um servitano que ame a missão sem amar a vida fraterna que é Cristo no outro, ou o Cristo que convive comigo.

Como São José acolhedor (cf. PC, 2020) cada um de nós, com modos diferentes, somos chamados a levar a Acolhida Redentora. É a missão servitana que compreende o cuidado com a pessoa humana em sua individualidade, especialmente humanizando e Evangelizando. E podemos realizar este projeto que vem do alto, somente conformando os nossos projetos pessoais ao de nosso instituto.

Acredito que, o nosso II capitulo geral eletivo, além de ser uma forte experiência de vida comunitária servitana, contribuirá para imprimir uma renovada edição de vida fraterna e apostólica na nossa família congregacional, e na nossa existência nesses quinze anos. São José vele sobre cada um de nós, sobre o nosso fundador, sobre o nosso prior geral e sobre os que serão eleitos e sobre as decisões que juntos iremos como instituto assumir pós Capítulo. Confio à Maria, Mãe e Serva do Senhor, todos nós e toda a família servitana; São José e os outros inspiradores de nosso carisma, São Francisco e São Domingos de Gusmão obtenham para todos o dom de ser, como eles foram, verdadeiros pais na fé para o povo onde estamos, em cada diocese e paróquia que o Senhor nos confia neste momento histórico.

Frei Gutemberg Santos,MsS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *