Espiritualidade

A formação espiritual é a base de todo o processo formativo. O caminho formativo dos discípulos missionários, futuros pastores o povo de Deus, deve proporcionar-lhes tornarem-se especialistas na vida de oração e na busca de um encontro pessoal com o Divino Mestre, o que também se revela nos atos litúrgicos celebrados com zelo e piedade. Sendo assim, a dimensão espiritual do carisma servitano, quer ser, a partir de sua compreensão, um instrumento para auxiliar a cada membro, dando-lhes “a oportunidade de levar uma vida totalmente à luz do Evangelho, à imitação dos apóstolos, abandonando tudo para seguir a Cristo na plenitude dos Conselhos Evangélicos ”.
A dimensão espiritual, ou espiritualidade servitana, é qualificada nas constituições como uma espiritualidade Vigorosa: Cristocêntrica, Eclesial e Marial. Segundo o fundador, o vigor da espiritualidade, aquilo que dá sentido à missão servitana, encontra suas raízes nestes três elementos constitutivos do carisma.
– Uma espiritualidade Cristocêntrica:
A centralidade de Cristo para cada um de nós e para a Família Servitana, que no carisma fundacional quis chamar precisamente “de Jesus, o Servo”, serve para indicar o ponto de referência do frade. E nos põe diante de nosso Senhor Jesus Cristo, do nosso Criador e Salvador e isto leva-nos, a nós família Servitana, a termos à nossa frente Cristo, O Senhor, que nos conduz continuamente para fora de nós mesmos, que nos leva a uma certa kenosis, a “sair do próprio amor, desejo e interesse .
Nos diversos perfis em que os Evangelhos e as profecias do Antigo Testamento apresentam Cristo, o coração do fundador do IMSS se sente tocado pela beleza de Jesus como Servo, o servo da profecia de Isaías que logo se revela em Jesus no lava-pés, manso e humilde, levado como ovelha ao matadouro na presença de Pilatos. É o servo que canta o hino de Paulo ao Filipenses, Ele que se fez servo obediente, até a morte e morte de Cruz.
Deus suscita nos diversos carismas congregacionais um rosto de Jesus, dentre os quais, o rosto de Jesus misericordioso, e, aqui neste encontram-se os Missionários Servos do Senhor que, no Cristo Servo, querem abraçar a humanidade servindo os mais necessitados e distantes da sociedade, imitando o Cristo em sua Kenosis, ou seja, esvaziando-se de si mesmos para encher-se do outro sem reservas.
Parafraseando Amedeo Cencini, vale ressaltar que a busca pela santidade, meta de todo discípulo missionário, será sempre mais alcançada à medida em que a presença transformadora de Cristo, e para o IMSS o Cristo Servo, for um imperativo em suas vidas. Não se entende a consagração religiosa à margem da mística do seguimento de Jesus e da configuração com Ele.
O seguimento é uma memória de Jesus, que sempre se atualiza no modo de viver e de comportar-se, em virtude dos votos de pobreza, castidade e obediência. Compreende uma união e uma familiaridade com Ele, como a dos discípulos, que marca profundamente a vida religiosa. Esta se embasa no encontro, no contato, na familiaridade com sua vida e com sua pessoa; na reprodução do seu estilo de vida com uma prática pessoal livre, escolhida e amada da pobreza, da castidade e da obediência. É o fundamento verdadeiro, firme e incontestável de nossa vida consagrada .
O caminho de Cristo exige do discípulo missionário a busca pela configuração a Ele, e essa configuração se dá à medida que se é chamado a um carisma revelando ao mundo um rosto novo de Jesus. Assim, a espiritualidade servitana nasce como uma profecia para os tempos modernos apresentando ao mundo o rosto do Cristo Servo, que não compete, mas que serve e não exalta a si mesmo, mas valoriza o outro, que não é individualista, mas que se esvazia para dar lugar à vida fraterna e à experiência da comunhão. É baseado nessa vida Cristocêntrica que encontramos fundamentos para uma vivência Eclesial e Marial que são os outros dois pontos de nossa espiritualidade.
– Uma espiritualidade eclesial
A centralidade de Cristo corresponde também à centralidade da Igreja: são dois focos que não se podem separar: não posso seguir Cristo, a não ser na Igreja e com a Igreja. E também neste caso